Notícias

ROI é o molho secreto para a transformação digital sustentável

Conheça os níveis de maturidade centrados no ROI de uma empresa, para tornar a transformação digital sustentável

Roi %c3%a9 o molho secreto

Transformação digital é um termo amplo que pode significar diferentes coisas para diferentes pessoas. Dentro de uma empresa, é fácil obter consenso de que ela é necessária para manter a competitividade, mas é tremendamente difícil definir os termos práticos e, principalmente, por onde começar.

Obviamente, é inviável estabelecer uma sequência de etapas adequadas para todas as empresas, em todos os setores. Em vez disso, é mais útil falar sobre transformação digital em termos de níveis de maturidade, cada um centrado na variável-chave necessária para tornar o processo sustentável: retorno sobre o investimento (ROI). Para que a transformação digital seja benéfica e duradoura, ela deve complementar as metas de negócios. É importante manter as expectativas realistas em relação ao nível atual de maturidade digital. Cinco desses níveis de maturidade digital são discutidos aqui:

A fase experimental

Uma organização em estágio experimental tem algumas ferramentas digitais básicas, mas ainda carece de uma visão coesa do que espera alcançar. Soluções construídas durante esse estágio são comumente criadas por indivíduos intelectualmente curiosos que tentam resolver problemas de pequena escala. Esses esforços podem fornecer um ROI que está bem alinhado às prioridades de negócios dentro da área de responsabilidade desse indivíduo, mas essas contribuições provavelmente não serão facilmente escaláveis ou repetíveis.

O estágio de agregação

As organizações neste estágio são reconhecidas por seus esforços contínuos para coletar cada vez mais dados em um único lugar. Alguns podem restringir seu foco a uma área-alvo específica do negócio para que possam passar rapidamente para a próxima fase deste modelo de maturidade dentro deste escopo. Enquanto isso, outros tentarão coletar diversos dados como parte de um escopo mais amplo. De qualquer forma, para que o ROI seja realizado neste estágio, a disciplina é crítica. É importante tentar adicionar contexto aos dados coletados, sempre que possível. Essa informação extra ajudará a garantir que ela possa ser manejada com eficácia por um grupo por maior que seja.

O estágio KPI

Os indicadores-chave de desempenho (KPIs) bem projetados refletem o quão bem algo está indo dentro de um determinado escopo (ou seja, empresa, divisão, área ou unidade). Esperançosamente, uma organização no estágio de KPI os alavancaria de duas maneiras. Primeiramente, esses KPIs devem orientar a estratégia de curto e longo prazo. O ROI aqui vem de decisões estratégicas baseadas em evidências. Em segundo lugar, ao definir intervalos toleráveis para KPIs, a empresa pode ser alertada quando um determinado grupo pode estar ficando para trás e precisar de assistência. O ROI é realizado aqui, garantindo que todos na organização sejam capazes de desempenhar sua parte na estratégia geral de negócios e obter a ajuda que precisam.

O estágio de previsão

Uma vez que dados suficientes estejam disponíveis para formar KPIs que refletem como grupos individuais estão contribuindo para as metas gerais de negócios, as organizações no estágio de previsão estão em uma boa posição para prever em que estado um sistema estará e em quanto tempo. Isso afeta o ROI de duas maneiras. A primeira está no desencadeamento de intervenções no processo - é possível realizá-las preventivamente se uma tendência de queda em relação a um KPI importante for detectada cedo o suficiente (o que pode significar mobilizar recursos ou mudar a estratégia). O segundo impacto gira em torno do refinamento dessa estratégia. Modelos mais robustos da interação entre as variáveis significam que as evidências podem ser utilizadas com mais eficácia para atingir o resultado pretendido.

A fase de atuação

Ao contrário dos níveis anteriores de maturidade digital, as organizações em estágio de atuação são muito mais capazes de começar a usar ferramentas digitais, não apenas para saber, mas para fazer. Isso significa que os recursos de previsão de uma organização ganharam tanta confiança que as ferramentas digitais não apenas informam as decisões, mas são capazes de executá-las em tempo real. Um excelente exemplo disso é um controlador avançado de processo (APC). Em vez de as pessoas precisarem especificar pontos de ajuste para que seus sistemas de controle atinjam as ferramentas neste estágio, podem calcular um ponto de ajuste com base em um conjunto de critérios de otimização para o processo. O ROI visto nesta fase pode ser bastante lucrativo. A automação não só permite um nível muito mais preciso de controle, que pode otimizar com mais rigor as variáveis de saída críticas para os negócios, mas também libera a atenção dos operadores humanos para outras coisas.

É desnecessário dizer que avançar por esses estágios pode ser uma tarefa e tanto. Novamente, o ROI deve ser uma variável-chave para alertar os líderes sobre onde focar. Ter uma boa compreensão do ROI em uma situação específica fornece uma ideia de quais recursos podem ser comprometidos de forma viável, bem como quais expectativas devem ser ao longo do caminho. A transformação digital é uma jornada, e conseguir prometer e entregar ROI é a chave para sustentá-lo a longo prazo.

No entanto, as habilidades necessárias para tal esforço podem ser difíceis de encontrar. Felizmente, existe um rico ecossistema de fornecedores e prestadores de serviços que oferecem as ferramentas e os conhecimentos necessários para desenvolver um plano de transformação, colocá-lo em ação e mantê-lo no caminho certo. Mesmo que a intenção seja desenvolver esses recursos internamente, pode haver um ROI claro para complementar as equipes com experiência externa.

 

Escrito por: Zachary Burkey

Zachary Burke é engenheiro de sistema Radix US. Atua como líder técnico e consultor em vários clientes e setores. É formado em Engenharia Mecânica pela Texas A&M University e atualmente está cursando o Mestrado em Engenharia Mecânica na mesma instituição. Desde que entrou na Radix (2016), Zach vêm desenvolvendo alto expertise no PI System da OSIsoft e utilizando esse conhecimento para ajudar os clientes em seus esforços de digitalização.