Notícias

Equipe Radix participa de Hackathon promovido pela Microsoft e conquista 2º lugar

A disputa aconteceu na capital de São Paulo e gerou resultados incríveis

Hackathon microsoft anima radix1 Da esquerda para a direita: Rachel Magalhâes, responsável pela participação da equipe no desafio, Daniel Freitas, Julio Pereira, Lucas Reis e Fausto Junqueira.

No último final de semana a Radix participou de um Hackathon promovido pela parceira Microsoft com o Ânima, grupo empresarial educacional paulista, mantenedor de algumas instituições de ensino superior. O evento aconteceu em São Paulo, Mooca, na Universidade São Judas, e contou com a participação de 12 times que tinham a missão de desenvolver uma solução para os diversos desafios reais de negócio que o Ânima enfrenta.

A Radix foi representada por Julio Pereira, Fausto Junqueira, Daniel Freitas e Lucas Reis, todos analistas de software e já com alguma experiência em Hackathons, que desenvolveram a única solução funcional e sem mock (simulação de protótipos) da competição. Também integraram a equipe, representantes de outra empresa de análise de dados, dois alunos e dois professores da universidade, além de dois profissionais da área administrativa do Ânima. 

“Quando chegamos no local da competição e ouvimos a apresentação do CEO do Ânima, nos deparamos com os problemas da instituição e as suas dimensões, começamos a ficar muito empolgados. Absorvemos a situação, vestimos a camisa da Radix e deixamos de encarar aquilo como um hackathon ou uma diversão e passamos a encarar como um trabalho profissional que precisávamos fazer. Acreditamos na ideia que construímos, esquecemos o mundo externo e focamos em construir a solução para melhorar o ambiente da faculdade.”, declarou Julio Pereira.

“O evento superou minhas expectativas em todos os sentidos. O diferencial da nossa equipe foi o entrosamento e acabamos fazendo mais até do que deveríamos ter feito.” opinou Lucas Reis.

Fugindo do modelo tradicional de Hackathons, este desafio seguiu o modelo de DTL (Digital Transformation Lab), que visa atender problemas específicos expostos pelo cliente e que são atacados pelos grupos, a fim de transformar de fato, a solução em um projeto.

“A sinergia da nossa equipe foi fora de série, mesmo sem nunca praticamente termos trabalhado todos juntos. Quando chegamos no final, ficamos nos perguntando como havíamos conseguido fazer em dois dias uma ferramenta totalmente funcional e pronta para o uso.”, revelou Daniel Freitas, que foi reconhecido pelo grupo como responsável pela concepção da ideia e detentor do conhecimento para implementá-la, auxiliando a equipe desde a prototipagem e explicação do propósito até a organização do trabalho.

Quando os profissionais do Ânima e da Universidade São Judas viram o produto da Radix funcionando, eles ficaram impressionados. Os professores afirmaram que seria ótimo poder contar com a ferramenta e os alunos disseram que ela iria melhorar muito a vida deles na escola.

“A experiência que nós adquirimos na Radix ao criar projetos do zero para resolver problemas, fizeram com que gerássemos uma solução simples para resolver um problema muito importante. Esse foi um dos finais de semanas mais surpreendentes que eu já tive, com crescimento pessoal e profissional enormes.”, finalizou Fausto Junqueira.