Notícias

Na mídia! Internet das Coisas já é realidade no setor

Revista M&T - Manutenção e Tecnologia - destaca projeto SotreqLink da Radix para a Sotreq.

Sotreqlink radix xdigital

Quando se trata de adoção de tecnologia, os fabricantes da indústria de bens de capital são líderes globais, diz Wagner Tadeu, gerente geral da ClickSoftware para a América Latina, fornecedora de soluções para gestão. Segundo ele, o segmento tem adotado cada vez mais a Internet das Coisas (IoT), que consiste de uma rede em que todos os objetos se comunicam e interagem de forma autônoma, via internet.

No setor de equipamentos, isso implica monitorar a condição de ativos, rastrear peças, prever falhas e capacitar técnicos com informações, por exemplo. “Nesse sentido, a IoT será responsável por impulsionar os investimentos no Brasil em 2017”, opina. De fato, recente estudo realizado pela consultoria IDC Brasil revela que as empresas irão investir em projetos de inovação e transformação digital em 2017, reflexo da necessidade de as empresas brasileiras se manterem competitivas no mercado.

Segundo o relatório, boa parte dos investimentos das empresas brasileiras será destinada à IoT. Ainda de acordo com a IDC, o setor industrial será o que mais investirá na tecnologia, aumentando a eficiência, otimizando o atendimento ao cliente e reduzindo custos. “O ecossistema de IoT deve movimentar mais de US$ 13 bilhões no Brasil até 2020”, projeta Tadeu.

Integração – De olho nessa nova forma de organizar as atividades na indústria, a Sotreq estabeleceu parceria com a Radix, empresa de software que desenhou um novo modelo de negócio para o grupo, centrado no Sotreq Link. “Este produto reúne soluções integradas em uma única plataforma, com uma base de dados totalmente centralizada”, explica Carlos Arantes, coordenador de desenvolvimento de tecnologia da Sotreq.

Recém-lançado, o sistema utiliza algoritmos avançados e inteligência artificial no monitoramento de todos os dados das máquinas, transferindo a informação em tempo real para o servidor, que faz o processamento e gera análises relevantes para cada perfil de cliente. “O cliente pode ter acesso por meio de computador, tablet e celulares”, acresce Arantes. “Para o futuro, já pensamos em criar um aplicativo para facilitar ainda mais o processo.”

Confira a matéria na revista: